natureza humana

No que diz respeito a natureza humana,nenhuma análise é mais esclarecedora que a da teologia.

sábado, 6 de junho de 2015

Um Homem.

Que significa ser homem-----verdadeiramente homem?Onde encontrar um verdadeiro ser humano e como conhecê-lo?
A qualidade de homem,no sentido lato da palavra,alguém disse ¨hombridade¨.Hombridade é a qualidade de ser homem,de ser homem íntegro e verdadeiro,de ser todo um homem¨.
O homem verdadeiro deve esforçar-se por conhecer as coisas como realmente são,livre de todo preconceito e interesses ilegítimos,deve esforçar-se para ser um ¨caçador da verdade¨.Que é a verdade? A esfera da verdade é uma esfera de relações.Ela regula a relação entre o que é e o que se diz ser,ou o que se faz representar,isto é,entre a realidade e sua expressão. Quando entre elas existem correspondência,delineia-se,em seguida, a verdade.Poderia ela,portanto,definir-se como a correspondência perfeita entre  a realidade  e sua expressão O erro ou a mentira resultam da falta de correspondência entre ambas.Se ao procurar descrever a realidade,há um engano inconsciente,surge o erro.Se a descrição da realidade for inexata,porque isso se desejou,aparece a mentira.Assim como a correspondência entre a ideia de um lado,e certos dados ,de outro,origina a verdade conceptual,assim também a conduta e certos valores origina a verdade ética.Um homem se compenetrará deles de tal maneira,que seus atos se tornarão o expressar  transparente de um ser identificado completamente o bem.Fará o bem pelo bem ,e não por alguma imposição externa ou conveniência particular.A verdade conceptual e a verdade ética estão intimamente ligadas.
Há,entretanto,aqueles que só na aparência  tem este precioso sentido da verdade ética.Os inimigos da virtude,os elementos mais perigosos da sociedade,são os hipócritas.O hipócrita é um ¨ator¨,alguém que representa um papel que não é seu.É um mascarado que põe o disfarce mais conveniente aos seus interesses mesquinhos.É um tipo de homem que carece de hombridade,é um ególatra que faz do seu Eu  e dos seus interesses os móveis de toda atividade e cria um cosmos que gira sobre o eixo de si mesmo ,é um egoísta ,coloca-se a si mesmo no centro de todas as atividades,fazendo com que tudo lhe sirva de meio para a realização de seus fins,sem servir de meio a qualquer interesse alheio. Segue  a todo instante  a vontade e o interesse próprios,sem consultar para coisa alguma os interesses alheios.Age como um louco possuído dos mais trágicos dos demônios: O demônio do Eu.É um mascarado que põe o disfarce mais conveniente aos seus interesses mesquinhos.O disfarce mais terrível é o de um rosto de anjo que encobre o coração de um diabo.É aquele que que tem uma face em que o vicio não deixa estigmas,lábios que mentem com doce sorriso,olhos de tal brilho e profundidade que não se turvam por nenhuma infâmia,faces que se levantam de um assassínio sem empalidecer,porém   nas suas entranhas ,a hipocrisia gera o medo e com o tempo esse medo horroroso torna-se seu companheiro inseparável  e o hipócrita não pode ser feliz,mas ninguém pode fazer  duradoura uma obra que tenha por único móvel uma ambição egoística.Cedo ou tarde,num dos seus voos temerários,o possesso do ¨Eu¨ cairá  e assim como Peer Gynt de Ibsen,o mais perfeito ególatra que nos oferece a literatura,adotando o lema de:¨ser eu mesmo¨esse jovem lança-se ao mundo em busca de fortuna.Depois de uma série de peripécias em países estrangeiros,durante as quais várias vezes fez e perdeu avultadas fortunas,volta, à terra natal.No caminho de sua aldeia,entra numa velha horta , toma na mão uma cebola e começa a tirar-lhes as cascas.A cada casca que cai,ele dá o nome de algum  papel desempenhado na sua vida....até chegar por fim ao que devia ser o coração da cebola.Porém... Nada! A cebola é só casca.¨Como cebola¨diz ele,¨foi minha vida,só casca,aparência...Sobre a minha lápide gravem estas palavras:¨ Aqui jaz ninguém¨
Peer Gynt era Dom Ninguém,por não ter consultado, em toda a sua vida,senão o Eu e os seus interesses.Não se pusera  a serviço de nada  em prol dos outros.Em nenhum coração agradecido sobreviveria seu nome imarcescível.O ególatra há de se tornar com o tempo,um louco ou ninguém....um homem,jamais.....mas o hipócrita não pode ser feliz,para poder sê-lo terá que despojar-se da máscara.Para poder sentir-se homem,homem que sinta respeito por si mesmo,homem a quem o olhar mais perscrutado não amedronte,não lhe resta um único recurso;tirar a máscara e confessar com franqueza porque a pôs.A confissão sincera,que não é senão a reafirmação valorosa do embotado sentido da verdade,desfaz  a aliança com a mentira,restituindo à personalidade todo o equilíbrio e a simplicidade.
J.  Mackay
J,D.N.

Nenhum comentário:

Postar um comentário